UOL Estilo UOL Estilo






Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese

Neste blog Na Web

 Visitas  
 

A dura vida na pindaíba

Por Raq Affonso

Ter um filho custa caro. Eu já sabia disso antes de engravidar. Mas agora, um ano e meio depois, eu percebo que não custa caro. Custa caríssimo!

Uma escola maternal custa quase o preço de uma faculdade. Mas o seu filho precisa ter contato com outras crianças e lá vai você matriculá-lo na melhor escola do bairro. Que não é a mais cara, mas praticamente...te faliu! Agora você conta centavos, espera ansiosamente o dia 5 chegar, compra produtos em promoção no supermercado...e ainda assim fica negativa no banco.

Mas o seu filho está trilhando o caminho da boa educação!

Só que quando você percebe, sua mania por economizar está transformando você numa dona de casa "fiscal do sarney". Você vê uma ótima oferta de filé mignon a R$9,99 e resolve comprar pra estocar! Só que o açougue tá lotado e você desiste.

E depois se arrepende, pensando que podia ter economizado R$10,00 se tivesse comprado dois quilos.

E vida dura....

:: Escrito por raq affonso às 22h47

Como agir no meio de um mar de lama

Se você tiver dinheiro e tempo para viajar,suma. Se você não tiver dinheiro nem coragem para viajar, suma. A cama é um lugar quente. Quando você tiver  vontade de viajar mas não tiver tempo, viaje por um dia com os seus amigos. E não precisa ser para um lugar para onde você precise pegar estrada. Viaje na maionese mesmo. Invente histórias e surte.Se no meio da sua viagem você der de cara com pessoas que te lembrem que você está envolvida em um mar de lama, tome um táxi e volte para casa. Trilha sonora para ouvir no táxi, se você tiver um i pod, The world is full of crashing bores, do Morrisey. Tradução livre: o mundo está cheio de babacas perigosos.Pensamento para ter na cabeça: até o mar da lama passa. Quando você não acreditar que o mar de lama passa: rua, amigos, rua, amigos. E não venha com essa de que lama faz bem para a pele. Faz nada! Mas de lama não faz bem para nada. Sim, às vezes a vida é cruel.

O que falar em público que tenha a ver com a rede de fofocas: nada. Absolutamente nada.O que falar em casa sozinha que tenha a ver com o mar de fofocas . Nada. Absolutamente nada. As paredes têm ouvidos.O que fazer se você achar que está virando um ser paranóico: Nada. Absolutamente nada. Talvez um pouco de paranóia caia bem numa mente tão bobinha. Não se ofenda por ser bobinha, se você não fosse bobinha não estaria envolvida em um mar de lama. Em quem confiar quando você está envolvida em um mar de lama: quatro amigos, uma analista e dois gatos de estimação.

Que recordação guardar de um mar de fofocas: nenhuma. Absolutamente nenhuma. Mas como você não vai conseguir esquecer tudo, que não seja nenhum trauma. Nenhum trauma grave que te faça, por exemplo, perder a inspiração (e a necessidade)de escrever;

Por Nina Lemos

:: Escrito por 02 Neurônio às 23h44