Guia da mulher bicha-fina

Por Nina Lemos

 

Mulher Bicha: mulher mulher com todos os trejeitos de bicha.

(da dicionária“Aurélia”)

 

Ser mulher bicha é ótimo. Nada mais divertido do que ter milhões de amigos gays, falar “a Victor”, inventar apelidos engraçados, fazer coreografias no karaokê e transformar noites aparentemente chatas em noites incríveis, inesquecíveis e absurdas. Fora que, uma vez mulher bicha, não dá pra mudar (seria tipo mudar de sexo, mas acho que ainda não existe operação para isso). E claro, quem quer deixar de ser mulher bicha? Deus me livre! Mas nada como ser uma mulher bicha e também mulher-mulher e ter pretês. Para isso: 

 

1-     Não chame seu pretê de bofe na frente dele. Quer dizer, algumas vezes vai escapar. Mas eles não gostam. E, vai, até dá para entender...Mas quando ele não estiver por perto, abuse. “Saí com o bofe ontem”, “meu bofe não vem” etc.

2-     Apresente seu bofe para seus amigos gays. Essa é uma ótima prova para ver se ele é homofóbico ou não. Apresente para todos. Sem preconceitos. Para amigas drags também. Mas não apresente falando: “esse é o meu bofe”.

3-     Suas amigas vão entender se você sair antes da festa com o bofe. E faça isso. Ele não é obrigado a agüentar tanta gritaria. Assim como você não é obrigada a ouvir conversa de futebol.

4-     Você não precisa ter ataque de mulher bicha na frente do seu pretê! Inclusive porque algumas coisas não são tão divertidas assim se ele estiver perto. Exemplo. Cantar no karaokê com coreôs bizarras e conversas sobre “malas”.

5-     A “mala”. Não conte pros amigos o tamanho da mala do seu pretê. Nem da mala dos ex. Um pouco de classe, vai. Mas falar da mala do passante pode, vai.

6-     E algumas vezes troque seus amigos gays pelo seu bofe.

7-     E algumas vezes troque seu bofe pelos seus amigos gays.

8-      Por último, se o seu namorado falar de forma realmente muito preconceituosa sobre os seus amigos gays, ele não vale a pena não.