A mulher de 1900 no verão

Dentro de mim mora uma mulher fresca, daquelas de antigamente. Essa versão de mim mesma é a que anda pela rua no verão achando que vai desmaiar. Sim, porque a mulher fresca (histérica!) de 1900 sofre de vertigens e pressão baixa. E é só o calor chegar para esses sintomas aumentarem ridicularmente.

Lá vai a moça fresca, 35 graus no termômetro, andando até a esquina para comprar comida para os gatos. O suficiente para achar que vai desmaiar e gritar “que está o maior calor do mundo e ela corre o risco de morrer ”. A mulher é tão fresca que acha que agora só pode entrar em lugares que tenham ar condicionado (como se a casa dela tivesse). E não pode ir a clubes (como se no inverno tivesse ido, hehhehe) porque o ar condicionado nunca é forte o suficiente, o que faz com que ela sempre acabe a noite meio amarela.

Seria ótimo que a mulher fresca que existe dentro de mim parasse de existir no verão. Mas, pensando bem, é bem mais fácil comprar um aparelho de ar condicionado. E recuperar o hábito de usar leque. Sim, o leque! E além de tudo a mulher fresca ainda precisa arrumar um novo amor.Mas com esse calor... (por Nina Lemos)