UOL Estilo UOL Estilo






Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese

Neste blog Na Web

 Visitas  
 
Dia da Mulher: casar com homem mais novo é conquista?

A grande “boa notícia” do Dia das Mulheres desse ano é que cresceu o número de uniões entre mulheres mais velhas com homens mais jovens. Boa notícia? Espera lá, minha gente! Antes de tudo, os homens continuam casando com mulheres mais jovens (e tudo bem, nada demais). A gente casar com alguém mais novo ser considerado uma conquista é um pouco de exagero.

Mais uma prova de que falta muita, muita coisa nesse país. Sim, desculpem o discurso engajado, mas agora ele é necessário.

E tem um detalhe. Sabem por que muitas mulheres casam com homens mais jovens? Porque os da idade dela acham que ela é velha! Sim, sim. Pega um cara de 40 anos aí. E pergunta o que ele acha (sexualmente) de uma moça que tenha 40, ou seja, uma pessoa do sexo feminino que tem a mesmíssima idade dele. A maioria (claro que muitos são diferentes e eu os amo) vai responder: “ah, meio passada”. O máximo de elogio que um homem médio é capaz de fazer para a mulher fodona de 40 anos é: “nossa, você tá bem para a idade.” Vocês já perceberam que raramente se comenta um homem está “bem para a idade”?

Pronto. Agora vou chutar o balde. O pior é que muitas moças estão sustentando os caras mais novos, esses bonitinhos que topam ficar com alguém mais experiente, com a pele menos lisa e mais sabedoria. E isso é um ganho? Eu acho que não.

Tudo bem, cada um com o seu cada um. Quem quiser sustentar homem que sustente, quem quiser gente mais nova que queira. Tudo bem. Cada um faz o que quer e ninguém tem nada com isso.

Mas lembro de uma conversa revoltada com as amigas Denise Garcia e Marie Leão em uma madrugada em um bar gótico de Berlin. Contamos para nosso amigo policial italiano que muitos amigos nossos achavam que a gente era velha para eles, que são, escutem, mais velhos que a gente! E ele disse: “mas eu não posso achar que vocês são velhas, eu tenho a mesma idade que vocês”. E a Denise dizia: “tá vendo,ele sabe porque é óbvio. E os nossos amigos que são gênios, intelectuais, artistas e não sabem ainda!”

Mas os homens bons sabem, sim.  

:: Escrito por 02 Neurônio às 13h39
A analista de Bagé

Sinceramente, não sei como isso começou. Não lembro se no pré-primário os coleguinhas me procuravam e diziam: "então, Nina, vamos ali tomar um café que eu to superangustiadp." É um mistério. Mas sei que sem diploma de psicologia nem carta da Sociedade Brasileira de Psicanálise, hoje tenho uma carteira boa de pacientes. São amigos mais novos, amigos mais da minha idade e, pasmem, até ex namorados.

Eu sei que isso é completamente anti-ético! Eu não posso ser analista de um ex namorado, gente! Mas eu sou a analista de Bagé, a psicanalista de botequim. E algo me diz que segundo a ética da psicologia, a gente não pode negar atendimento para quem precisa. E lá vou eu atender o ex namorado na padaria do lado de casa na hora do rush!

Já fiz atendimentos em clubes noturnos, na praia, no campo, na fazenda, na casinha de sapê e no MSN. E ele, o ex namorado, ainda olha para mim e diz: "você é muito boa nisso de fazer as pessoas se sentirem melhor, né?" Nossa, mas que responsabilidade, meu deus!

Tem vezes em que eu penso em fechar meu consultório. Sério. Isso porque nem sempre eu dou conta dos meus problemas e loucuras. Mas eles insistem, batem na porta, telefonam, chamam para falar no MSN.

 Será que a Sociedade Brasileira de Psicanálise poderia fazer o favor de caçar o diploma de psicanálise que eu nem tenho?

PS. Não, não. De vocês, que sabem quem são, eu não sou psicanalista. Sou, amiga, pretê etc etc etc. E o que a gente faz é troca. Que fique claro, meus amores.

(Nina Lemos)

:: Escrito por 02 Neurônio às 17h14