UOL Estilo UOL Estilo






Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese

Neste blog Na Web

 Visitas  
 
Ela está almoçando sozinha? Tadinha!

Resolvi almoçar na padoca que vira restaurante no horário do almoço. Como sempre, eu não comi tudo. Quando a moça veio tirar o prato, comentou que eu tinha comido pouco (como vocês sabem, somos um povo muito interativo). “É que veio muita comida”, eu disse. “É, você está sozinha, tadinha”, disse a moça.

Tadinha? Como assim. Eu não estava chorando, estava fazendo frio (o que é bom) e fora a minha enorme tristeza com a tragédia do Rio, aquele era um dia normal. Será que eu estava com cara de coitada? Puxa, mas eu usava meu casaco de neve de Berlin, e estava me achando chique. Tadinha.

Tadinha de mim porque estava almoçando sozinha, em uma sexta feira comum, depois de deixar umas roupas na tinturaria. Isso é uma vida de tadinha? Acho que não. Aí lembrei do óbvio. É porque eu sou mulher (dã). E, como se sabe, no Brasil, mulher não pode almoçar sozinha. Muito menos jantar. Ir para a balada  então, nem pensar. Temos que andar em dupla. Ou em bando. Sozinhas, nunca! Só se for para ir na manicure ou no supermercado.

A Jô uma vez foi almoçar sozinha em uma cantina. “Você está esperando alguém?” “Não”, ela respondeu. O garçom ficou com tanta pena que a Jô foi tratada com honras. Virou um tipo de atração de circo. A incrível mulher que almoça sozinha em uma cantina.

Somos coitadas porque trabalhamos com liberdade e não temos que almoçar com o grupinho da firma. Somos coitadas porque não carregamos um homem ou uma amiga do lado quando vamos fazer uma coisa prosaica como almoçar correndo num dia de semana.

Somos tadinhas. Ou atrações de circo. Nós, que só queremos ser moças normais.(Nina Lemos)

:: Escrito por 02 Neurônio às 20h26
Castigos e maravilhas de viver com um mini-homem

Se algum dia a gente pudesse escolher o sexo do filho, certamente teria uma preferência. Mas isso não adianta nada e de repente você se vê com um menino no colo.

Quando o menino cresce, vira um mini-homem. E daí você percebe como mundos de meninos e meninas são diferentes, mesmo quando eles têm cinco anos. Ou ainda mais quando eles têm essa idade.

E a sua participação na rotina de um menino tem pouca chance de acontecer. Afinal, você não tem idéia:

 

- De como jogar bolinhas de gude

 

- Dos nomes dos mais de 500 Pokemons

 

- De como dar golpes no jogo de esgrima do wii Sonic X Mario

 

- Dos alienígenas do Ben 10

 

E quando você quer falar de coisas interessantes, como as possíveis namoradinhas da escola, o mini-homem parece um homem feito, desconversando e achando um saco de conversa.

Mas na hora de dormir, quando o pequeno fala que você está linda (só pra poder ficar na sua cama), você acha bom ter alguém do sexo masculino como descendente. Pouco drama, frases de efeito e felicidade no controle do videogame.

 

:: Escrito por raq affonso às 20h50